Siga-nos

Especial

Caminho ao First Strike: a história da Havan Liberty

Saiba tudo sobre a equipe que disputará o First Strike presencialmente

Arte por VALORANT Zone

Caminho ao First Strike: a história da Havan Liberty

Marcada para acontecer entre os dias 3 e 6 de dezembro, a etapa presencial do First Strike contará com oito equipes na disputa pelos R$200 mil. Com isso, visando apresentar as participantes para o público, o VALORANT Zone contará a história de cada time. E o elenco da vez é a Havan Liberty.

Começando a competir ainda na fase beta sob a tag NOTRAB, quatro dos cinco jogadores são provenientes do CS:GO, possuindo Marcelo “pleets” Leite como o destaque por ter defendido a FURIA Inagame, o time de base da FURIA.

Fora isso, Rodrigo “myssen” Myssen, Gabriel “shion” Vilela e Bruno “bNhardneja” Nóia também vieram do FPS da Valve, mas sem obter tantos resultados. Por fim, Pedro “pMdr1” Henrique chegou após tempo no Black Squad.

O INÍCIO DA NOTRAB

Se conhecendo dentro do servidor, pleets e bNhardneja foram a base da criação da NOTRAB. Além da dupla, Michel “w0lv” Bruno também estava presente na escalação e posteriormente shion, chamado pelo próprio bN.

Jogando com shion por conta do convite de sua dupla, pleets revelou a primeira impressão que teve: ”O bN chamou, mas nunca tinha jogado com o shion. Aí pensei, pô, vamos testar aí né. E no primeiro jogo o moleque acabou com tudo. Eu falei: ele é bom. E agora tá todo mundo vendo que é diferenciado”, afirmou.

Pelo lado de pMdr1, o jogador também chegou por meio de convite do bN após o time não conseguir encontrar o quinto. De acordo com o próprio pleets, a aceitação inicial não foi das melhores pelo estilo de jogo, mas que com os treinos as coisas melhoraram.

Disputando o classificatório do Brazil Spray Series, a equipe sofreu a baixa de w0lv, que teve problemas de internet. Por isso, pleets optou por chamar Gabriel “qck” Lima, garantindo vaga na competição com o jogador, mas partindo para o evento principal sem o mesmo, que rumaria à Nimo oNe.

Dado tudo isso, a transferência de qck acabou abrindo vaga para myssen, agora capitão da Havan, ser chamado para completar. O debute do atleta foi magnífico, assegurando a terceira colocação no BSS após forte campanha.

CONTATO COM A HAVAN

Anteriormente revelado por pleets, o contato com a Havan vinha acontecendo desde a disputa do Brazil Spray Series, ainda mesmo antes de myssen entrar de forma oficial na equipe.

Falando acerca a conversa com a organização, bN revelou que mandou mensagem para vários clubes, mas que a Neverest foi a única que respondeu. Contudo, diz que chegada da Havan foi de surpresa.

Do nada a gente recebeu a proposta. Fiquei sem acreditar. Uma org desse tamanho, investimento deles, é agora. Agora tem que dar certo. A organização é impecável, tudo perfeito. Dão 100% pra gente se manter em forma aqui”, disse.

Jogadores estão residindo em Brusque, na GH da Havan. Divulgação/Havan Liberty

Outro ponto importante, claro, é a pressão de saber a confiança que o clube detém nos jogadores. Todavia, a dupla se mostrou bem agradecida ao suporte dado pelo clube, alegando que o mesmo nunca pressionou para a conquista de resultados de forma meteórica.

Fora isso, pleets relatou que o único empecilho na caminhada dos jogadores foi a adaptação por juntar cinco pessoas diferentes em uma casa, com computadores distintos e rotinas divergentes, mas que com o tempo foi progredindo.

O CRESCIMENTO COMO TIME

Desde a entrada na organização, o quinteto acumulou torneios em seu currículo, mas sem conquistas expressivas. Porém, para quem acompanhava de perto, a evolução era nítida.

Quando avaliado o período de crescimento com a fulcral adição do treinador Saymon “Hiromi” de Sousa, a Havan mudou de patamar. Ganhando experiência e tempo de jogo como time, melhoraram imensamente e chegaram nas cabeças do Brasil.

Ainda sem conquistar títulos, a Havan teve a classificação para o evento presencial do First Strike como grande feito, se firmando entre as oito melhores equipes do país. bN acredita que o acumulo de campeonatos agrega no ganho de experiência.

Eu acho que a cada campeonato estamos evoluindo. É por isso que eu queria jogar bastante. Por causa da experiência, nervosismo do time. Eu acho que estamos melhorando nesse quesito e tô bem confiante pra LAN. Vamos jogar”, afirmou.

Caminhada da Havan ao título da AORUS League Brazil. Reprodução/Liquipedia

O clube brusquense teve como primeiro título no VALORANT a AORUS League Brazil #2, superando a Vivo Keyd na grande final. Por lá, shion foi mais uma vez o destaque da equipe, somando 257.9 de ACS e 1.69 de K/D, segundo levantamento do vlr.gg.

PREPARAÇÃO PARA O FIRST STRIKE

Sem obter êxito na classificação para ambas as edições do GC Ultimate, pleets diz que grande parte da derrota veio pelo nervosismo nas partidas decisivas, tal como o primeiro mapa contra a DELIRAWOWZIK na seletiva fechada do First Strike.

Ademais, também vê que o principal ponto a se trabalhar da Havan é o nervosismo, visto que na parte tática, pleets vê que o time está ”sólido”.

Elenco junto em Brusque. Divulgação/Havan Liberty

A gente precisa aprender a lidar com isso. Na LAN é 100 vezes pior que na Internet, e sabemos que diversos jogadores ali detém mais experiência do que a gente, e eles usarão isso contra nós. Então é trabalhar isso o quanto antes e chegar lá focado, sabendo que a pressão também é deles. Vamos chegar de boa, como quem não quer nada, e quem sabe não chegamos numa semi aí”, finalizou.

O FIRST STRIKE

Como citado anteriormente pelos próprios jogadores, a Havan vai “comer pelas beiradas”, deixando o favoritismo perdurar em equipes como Gamelanders, Vorax e B4.

De acordo com pleets, a equipe tem a noção de que existem adversários mais preparados e acredita que o TOP4 é satisfatório. Entretanto, avisa: ”Se deixar, a gente vai chegar mais longe. Vamos buscar o título, que é o nosso objetivo. Queremos trazer troféus para a organização que acreditou na gente desde o começo”, encerrou.

O esquadrão da dupla estreará contra a Vorax, no próximo dia 4, às 17h00 no horário Brasília. Além de ser um clássico do VALORANT, o confronto também é marcado pela possível revanche da Havan, vide sequência de derrotas para os rivais – quando ainda eram a Fusion Fraggers.

Favorita, a GL não estará no caminho da Havan até a grande decisão. Caso vença a Vorax na rodada inaugural, a equipe comandada por myssen enfrentará o vencedor de paiN Gaming e Imperial na semifinal.

Após debute contra a Vorax, Havan pode enfrentar paiN ou Imperial. Reprodução/Liquipedia

HAVAN DENTRO DO SERVIDOR

Assim como grande parte dos times, a Havan mantém um padrão em suas escolhas da agente. Enquanto shion ganhou mais notoriedade nacional ao apresentar um Sova quentíssimo na seletiva fechada. Tal como myssen, capitão, com o Cypher.

Já pMdr e pleets também seguem com as mesmas escolhas: Reyna e Omen, respectivamente. Por último, bN é o mais versátil da composição, variando entre Jett e Raze.

A princípio, segundo o vlr.gg, Haven e Ascent são os mapas mais jogados pela Havan, com 21 e 13 jogos, respectivamente. Fora isso, Split também pode começar a aparecer mais, este que o time vem de 2V seguidas (vs. DKS e vs. DELIRA).

Porcentagem da Havan nos mapas de VALORANT. Reprodução/vlr.gg

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo do VALORANT? Então, siga o VALORANT Zone nas redes sociais: TwitterFacebook e Instagram.

Para assistir este e outros conteúdos em vídeo produzidos pelo VALORANT ZONE, se inscreva no canal da Gamers Club Media.

Gamers Club
Parceira OFICIAL da RIOT GAMES no Brasil e tem como objetivo fomentar o cenário competitivo de VALORANT, com campeonatos e guias para você ter a melhor experiência.
Conheça a Gamers Club
Anúncio
Anúncio

Veja mais

Anúncio

Mais em Especial