Siga-nos

Especial

Caminho ao First Strike: a história da B4 Esports

Saiba tudo sobre a equipe que disputará o First Strike presencialmente

Caminho ao First Strike: a história da B4 Esports

Marcada para acontecer entre os dias 3 e 6 de dezembro, a etapa presencial do First Strike contará com oito equipes na disputa pelos R$200 mil. Com isso, visando apresentar as participantes para o público, o VALORANT Zone contará a história de cada time. E o elenco da vez é a B4 Esports.

Juntos desde o início de maio, o trio proveniente do Crossfire atuava sob a tag TERROR.NET, somado com Leandro “frz” Gomes, oriundo do Paladins e Gustavo “gtnziN” Moura, também do CF. Dois meses depois da transição trouxeram Alexandre ”xand” Zizi, que chegaria após carreira no CS:GO. E foi aqui que tudo começou.

Deixando uma carreira vitoriosa no FPS da Valve, xand migraria da INTZ à TERROR.NET, apostando tudo no novo jogo. Antes disputando um Major pela organização brasileira, o jogador entraria em uma equipe sem contrato, apostando todas as suas fichas no sucesso de VALORANT.

O NOVO DESAFIO PROFISSIONAL

Renomado no Crossfire e agora capitão da B4 em VALORANT, v1nNy revelou que sua transição para o jogo foi muito pelo nome da Riot, vide bons relatos que a desenvolvedora detém quando falado sobre o competitivo.

Desde o começo eu, pancada e akemy já estávamo planejando migrar pro jogo. Querendo ou não, o apoio que a Riot dá pros jogadores é imensa e isso faz uma diferença gigantesca”, disse v1nNy.

Diferentemente de v1nNy, Wellington “akemy” Martins e Bryan “pANcada” Luna, xand foi o único jogador oriundo do Counter Strike, título onde defendeu grandes organizações e disputou o Major, torneio de maior importância por lá.

A motivação da mudança de ares, de acordo com o próprio jogador, foi pela frustração com o rendimento no fps da Valve, além de tomar algumas decisões precipitadas e ver que VALORANT o proporcionaria condições melhores.

Ao lado de kNgV-, xand disputou um Major enquanto competia no CS:GO. Foto: HLTV.org

A FUNDAÇÃO DA TERROR.NET

Antes de ganhar mais visibilidade e posteriormente ser contratado pela B4, os meninos defendiam a tag TERROR.NET. A escalação principal era akemy, pANcada e v1nNy, chamando o já conhecido gtnziN juntando o útil ao agradável.

No entanto, desde o princípio a ideia era trazer o xand, que ainda se encontrava na dúvida de rumar ao novo jogo ou não. Com isso, por ter jogado com akemy no Twitch Rivals e estar separado de Murillo “murizzz” Tuchtenhagen, frz foi chamado como quinto elemento da TERROR.NET

RESULTADOS NO INÍCIO

Conquistando o Brazil Spray Series com pouco tempo de time, a ascensão meteórica da até então TERROR.NET pegou muita gente de surpresa, inclusive o próprio capitão.

Por se tratar de um cenário inteiramente novo, a inconstância era algo natural. Contudo, aconteceu com o time no momento mais crítico: o classificatório para o Gamers Clubt Ultimate, primeiro torneio brasuca do circuito Ignition Series.

Ainda sem contar com xand de forma oficial, a TERROR fracassou em avançar à fase principal do Ultimate. O líder da equipe classifica tal feito como primeiro fracasso desde o início do competitivo

Da maneira que foi, o hype sobre o anúncio criou muita expectativa. Não só na gente, mas nos t1 do VALORANT na época. Mas a gente não ter conseguido essa classificação doeu demais. Treinamos muito, abrimos mão de várias coisas, mas infelizmente não obtemos sucesso. Foi difícil”, afirmou o jogador.

ENTRADA DO XAND THE PRU

Logo após não conseguir se classificar para a competição mais importante, a equipe passou por mudanças, finalmente oficializando xand como jogador. Sem dúvidas, ninguém mais do que o capitão sabe os motivos da mudança, e por isso vinNy deu seu parecer.

Sendo o capitão, na época minha função era ser a única pessoa que falava. E esse foi um dos principais motivos de tirar o gtn. Ele estava sem ritmo de jogo e precisávamos de uma pessoa que tivesse a postura para me ajudar”, revelou.

Experiente, o jogador sempre foi mais

Para os acompanhantes de CS:GO, o perfil de xand não é novidade pra ninguém. O atleta sempre foi comunicativo e deteve tal qualidade durante toda a sua carreira. Todavia, como de praxe, um período de adaptação era necessário no VALORANT.

O contato entre as partes aconteceu após o Twitch Rivals, onde foram campeões juntos defendendo o time da pannshi. Assim que largou oficialmente o seu antigo jogo, xand conversou com o capitão da TERROR.NET e recebeu sua vaga na equipe, sendo uma das maiores transferências no cenário até então.

AGOSTO DOURADO

Conquistando o VALORANT Zone Invitational e estreando sob o banner da B4 com a conquista do Rivals Contenders em agosto, toda a expectativa que estava distante retornou ao esquadrão, sendo cotado mais uma vez como a melhor do Brasil.

Oficializados na B4, o Rivals Contender foi o primeiro título na organização. Divulgação/B4 Esports.

Quando questionado sobre a inflação de ego após tais conquistas, vinNy corroborou com tal afirmação, dizendo que subiu vencer tudo subiu a cabeça.

A gente estava trabalhando bem como equipe, mas esse hype construído em cima de nós causou dificuldade em lidar com os resultados ruins. O orgulho foi um dos principais empecilhos, ainda mais sobre alguns jogadores. Mas, de resto, entendemos que éramos um time medíocre e fomos buscando melhorar. Estamos voltando agora ao nosso melhor”, finalizou.

QUEDA NO ULTIMATE 2

Sendo até então o segundo evento mais importante no ano, era esperado uma melhor atuação da B4 no Gamers Club Ultimate 2. Contudo, isto não aconteceu após duas derrotas em três embates.

Depois de debutar com vitória, B4 perdeu duas em sequência e deu adeus à competição. Reprodução/vlr.gg

xand avalia a queda precoce no GC Ultimate 2 como a maior decepção de sua ainda curta carreira no VALORANT até aqui, também revelando que no segundo duelo contra a NOORG 2.0, o time entrou com um astral completamente diferente.

Já v1nNy diz que a rotina de campeonatos também atrapalhou, mas que a B4 entrou com outro pensamento na partida decisiva, estando com o mental fragilizado e jogando de forma totalmente atípica, levando um atropelo dos rivais.

JUNTOS EM DIAS DIFÍCEIS

Sem conquistar os resultados esperados, manter a harmonia de uma equipe profissional é no mínimo complicado. Líder do time, v1nNy relatou sobre.

Foi uma loucura. Passamos por várias coisas. A primeira semana pós-ultimate foi um lixo. Não tivemos nenhum aproveitamento nos treinos, mas conversamos com a psicóloga do time e diria que foi a partir daí que tudo voltou ao normal”, afirmou.

O acompanhamento psicológico cedido pela B4 foi um dos motivos para que a equipe se mantivesse unida, segundo o atleta. Além de claro, a vontade de todos os jogadores se provarem novamente no cenário.

PREPARAÇÃO PARA O MAIOR CAMPEONATO DA TEMPORADA

Eliminados na primeira seletiva de forma, ficou notável que o clube ainda estava se alinhando após os resultados recentes, tentando retornar todos ao mesmo mindset.

Já na segunda seletiva, a B4 Esports carimbou presença no classificatório fechado do First Strike vencendo a paiN Gaming de virada na decisão, finalmente avançando ao sistema fechado.

Avaliando a preparação, xand disse que foi o momento de acordar para a vida após desempenhos recentes.

Eu acho que foi um pouco de acordar na vida. Tivemos muitos resultados ruins e continuando assim provavelmente o time terminaria. Mas acredito que essa evolução, voltando a jogar bem, foi mais acordar. Ou acordava, ou não tinha motivo para jogar. E agora estamos no foco aí”, encerrou.

Caminho feito pela B4 no segundo classificatório aberto do First Strike. Reprodução/Liquipedia.

Avançando de fase após superar a paiN, equipe que desclassificou a B4 no Ultimate, a “vingança” foi comentada nas mídias sociais, e o mandachuva concordou

Teve o gostinho de vingança, provar que somos superiores. Foi um jogo disputado onde soubemos lidar melhor com alguns rounds, mas pelo fato de ter sido 2 a 1, posso dizer que a paiN poderia ter vencido da gente”, alegou.

DUELO HISTÓRICO

Entrando para a história do VALORANT mundial, B4 Esports e No2b foi o confronto mais longo do FPS em solo nacional, quiçá mundial. O embate válido pela seletiva fechada do First Strike teve 58 rounds jogados, com a B4 saindo vencedora por 30 a 28.

Fora toda a demora, o duelo também contou com o sistema de VALORANT encerrando a partida por ter ultrapassado 1 hora e 30 minutos, fazendo com que o jogo tenha sido finalizado. Porém, outra lobby foi posteriormente criada e a partida completada.

O mandachuva da B4 diz ter sido um jogo muito louco, inclusive lamentando não ter sido transmitido. Fora isso, também revelou acordo entre as equipes para prosseguir após cancelamento da partida pelo sistema da Riot

Admito que esperava um jogo fácil. Eles estavam super preparados, eu particularmente me surpreendi com várias jogadas deles. Foi uma surpresa o estilo de jogo deles e foi muito divertido jogar essa partida”, disse sobre a partida.

De acordo com gravação de vinNy, embate durou mais de 2h30, precisando criar uma nova lobby por falha no sistema da Riot. Reprodução/Liquipedia.

RESILIÊNCIA NA CLASSIFICAÇÃO PARA O FIRST STRIKE

Logo depois de uma série duradoura contra a No2b, o duelo que decidiria o avanço de fase seria contra a Vikings, que até então vinha demonstrando um potencial enorme.

Saindo atrás no placar após ser derrotada na Split – escolha dos vikings – a B4 aplicou a virada sem sustos em Ascent e Haven, garantindo classificação para o evento principal.

Por ter um elenco recheado de jogadores experientes, o fator LAN pode ser benéfico para a B4 de acordo com xand

Normalmente as pessoas acabam piorando em LAN. Concentrar, jogar sem 100% pra quem não tá acostumado é muito difícil. Claro que terão exceções, mas pela experiência que temos, acredito em uma leve vantagem para nós sim”, firmou.

vinNy, por sua vez, também concorda e dá ênfase aos primeiros duelos, por enfrentar alguns times com menos experiência e também coloca a rival Gamelanders na mesma prateleira, afirmando que ambos os times largam na frente pela vivência.

Assim como xand, akemy e viNny, pANcada é outro velho conhecido dos presenciais. Divulgação/B4 Esports

B4 DENTRO DO SERVIDOR

Antes jogando com o Cypher, como foi no VALORANT Zone Invitational, vinNy agora toma as rédeas de atuar com os personagens que possuem a smoke, como é o caso do Omen, principal escolha do jogador. Agora, akemy é quem controla as câmeras.

Pelo lado de pANcada, o jogador era renomado como uma das melhores Sage‘s do cenário. Entretanto, com os nerfs na agente, agora opta por ser mais agressivo com Raze ou Reyna.

Por fim, completando a escalação, nada mudou. xand segue com a liberdade de ”brincar” com a sua Jett enquanto frz vara os adversários com o Sova.

MAPAS

Estando indisponível até pouco tempo atrás, é normal que Icebox não esteja dentro das estatísticas. Todavia, de acordo com o vlr.gg, a B4 possui hoje a Haven como mapa mais proveitoso, vencendo 15 dos 17 jogos por lá, o que resulta em 88% de aproveitamento.

Seguido de Ascent com %78 (21V-6D) e por último a Bind com 55% (11V-9D). Como já citado pelo próprio IGL vinNy, Split segue sendo o ponto fraco da equipe, com apenas 5V nos 9J feitos.

Quer ficar por dentro de tudo o que acontece no mundo do VALORANT? Então, siga o VALORANT Zone nas redes sociais: TwitterFacebook e Instagram.

Para assistir este e outros conteúdos em vídeo produzidos pelo VALORANT ZONE, se inscreva no canal da Gamers Club Media.

Gamers Club
Parceira OFICIAL da RIOT GAMES no Brasil e tem como objetivo fomentar o cenário competitivo de VALORANT, com campeonatos e guias para você ter a melhor experiência.
Conheça a Gamers Club
Anúncio
Anúncio

Veja mais

Anúncio

Mais em Especial